sábado, março 19, 2005

Depois de uma semana atafulhada, peguei no saco das ínfimas tralhas que colecciono e acomodei-me, acompanhada do meu jazz portátil, no canto bafiento do comboio regional que me iria levar ate à costa.

Descobri o som extenuante do silêncio vazio na praia, abracei-o como cura para o caos que me invadiu ao longo dos últimos dias, e larguei-me sobre o areal, tentando desfrutar do prazer que todo aquele emaranhado de maresia me provocava sobre as magoas…tentando expandir o egoísmo e o deleite de estar finalmente sozinha sobre a vastidão do paraíso.


“Paralisem a perfeição!”

Lars Botten