domingo, fevereiro 13, 2005

Porto é amor!

Amei-te mal! Não compreendi tudo o que representas. Se ao menos te tivesses revelado antes, para que esta descrença relativamente à tua beleza, fosse totalmente desvanecida e contrariamente difundida. Mas insistiram em afastar-me do teu conhecimento, insistiram em me tapar a vista com a rudeza das tuas arestas, sem me mostrarem a pureza desse âmago verdadeiro, directo e tão fiel. Agora, a tua escuridão estarrece-me a consciência, a tua perfeição, fugida dos parâmetros estéticos das novas cidades modernas e amplas, confunde-me as sensações e a opinião…mas depois destes dias, sei que finalmente percebi o quão bela és!