sexta-feira, janeiro 21, 2005

Saudade de ti amor!

Flores pálidas, talhadas em alabastro luminoso, enfeitam-me os cabelos desgrenhados e o sentido romântico. Árvores viçosas, comprimidas entre arbustos atafulhados de silvas selvagens, tapam o céu ofensivo de sol demasiado doirado, enquanto que a relva sarapintada com flores bravias me ladeia o corpo e me humedece as roupas de tafetá incolor.

Amo esta iluminura idílica, assim como amo os lindos momentos nostálgicos em que nela me deitei…