quarta-feira, janeiro 26, 2005

consciência

Sinto que sou observada quando saio da água. Calço os chinelos e entro nos balneários com a minha toalha fucsia sobre os ombros, enquanto retiro a touca e os óculos da cabeça.
No chuveiro, o meu gel de banho adocicado expurga-me do cheiro do cloro e eu vou fazendo a sinopse do dia. O que fiz, o que não fiz, o que devia ter feito. Acredito que podemos muito bem com a consciência dos outros, mas não podemos fugir à nossa própria consciência, e eu sinto-me bem.