sexta-feira, novembro 12, 2004

Ligaste hoje. Outra vez!

Edgar Keats



Frio e cheiro de baunilha misturados no mesmo espaço. Levanto-me da cama e vocifero-lhe que NÃO! Que não suporto mais o pensamento de lhe…tocar…Ele rebenta, embrutecido, num rompante de insultos grosseiros e injuriosos. Vil-vilão, acusa-me de me prostituir com outros, de me vender a palavras que nunca foi capaz de expressar, obrigando-me a chorar de arrependimento por o ter conhecido alguma vez entre a alcova pestilenta onde me despi para si.


Porque é que as relações não podem simplesmente acabar?
Porquê a insistência de reatar relacionamentos que não resultaram?