domingo, abril 04, 2004

Volúpia selvática em flashes eróticos

Desci o passeio torto e esburacado com enorme dificuldade, os meus saltos finíssimos e altíssimos enfiavam-se nos enormes buracos e obrigavam-me a balançar como uma qualquer bêbeda depravada.
Atrás de mim seguia ele, calado e extasiado no seu sonho maníaco-depressivo, tentando, talvez, perceber um pouco da natura selvajaria por nós praticada e difundida naquele cubicular quarto de motel barateio.

Sorrio, sozinha, lembrando a copula animalesca de nossos corpos desnudos, despudicos e descarados…Revejo o raiar de loucura, como focagem à falcão predador, nos seus olhos cor-de-mel a arder…Ouço de novo o meu grito de garça-real, em 35 notas agudas e graves de autentico prazer expressado…resumindo: Revisito a volúpia selvática em flashes eróticos enquanto continuo a descer a maldita calçada à portuguesa!