quarta-feira, fevereiro 25, 2004

uma praia, princípios de Setembro

>
Uma praia, creio que para os lados de Alcochete.
Nós os dois iluminados pelo calor do princípio do fim de tarde, ao som da água do rio Tejo a fazer barulho na areia, e do ladrar da tua cadela a clamar pela tua atenção.
Eu deitada por cima de ti (apoiada com o cotovelo na areia grossa que magoava) em beijos sôfregos nos quais eu creio que transpareci a incredulidade no facto de estar ali contigo, e ciclone de sentimentos que me assolavam.
Sim, eu gostava de ti, mas quanto? Apostei consciente e perdi. Enraiveceste-me. Magoaste-me.