domingo, fevereiro 15, 2004

O principio da noite...

Eu estava deitada com os pés colados na janela. Ele, sentado defronte à traseira do banco da frente, debaixo de mim, concentrado no infinito, penteando os meus cabelos esguios que lhe amaciavam as mãos cansadas e irrequietas. O meu salto metálico chiava gritante e irritante enquanto o movia p’ra cima e p’ra baixo sobre o vidro, ele não parecia muito incomodado.
- Achas que ele vai demorar muito? – perguntei eu expectante.
- Sei lá Bo! Deve estar ainda a vestir-se…mais 10 minutos e apito, tanto tempo para enfiar umas calaças de ganga e um polo!
Os meses passados desde a nossa última saída…e nada mudara, bastou um telefonema fugidio e meia dúzia de palavras para arrancar os “meus gajos” da cama…sem promessas, sem explicações, sem hipocrisia, eles não precisaram de saber por onde andei, ou o que fiz, ou o que me levou a afastar deles…Como bons amigos limitaram-se a aceitar-me com um daqueles sorrisos gigantescos e uma boa disposição contagiante.
Quando o Edu entrou no BM exalando M7 de YSL disse apenas: - “Bo, voltaste!”