sexta-feira, fevereiro 13, 2004

It's not going to stop

Um frio, um aperto, uma dor aguda e fininha que insiste em ficar.
Quase que desisto, quase que exaspero de dúvida e incerteza.
No peito insegurança e angústia.
Repetem-se os gestos. O perfume já não é o mesmo.
Repetem-se as palavras que não dizemos, mas o perfume, esse, já não é o mesmo.

Pedi-te que me levasses o medo, entreguei-me de mãos vazias.
Despi-me para ti de novo. Soou-me a história difícil e antiga.
Soou-te a história vazia e banal.
Dilacera-me o peito cada minuto que vejo passar.
Vejo-me exangue e exausta, o tempo enfraquece-me.
Mudaste?
Mudaste…