domingo, fevereiro 22, 2004

Desabafo II

Há pessoas que por muito que se esforcem simplesmente não são notadas. Podem fazer o maior dos alaridos que permanecerão transparentes, inexistentes. O típico género de indivíduo pelo qual ninguém dá cinco tostões.
Vestem-se de forma básica, com cores básicas, ostentam um corte de cabelo básico. Raras, raríssimas vezes, apresentam um qualquer (suposto) adereço que, julgam esmagar toda a humanidade com o ar pretensamente fashion que o tal lhes empresta. Discutem assuntos básicos da vida básica de cada um. Básica não, miserável. E como se não bastasse, aposto que fodem de forma básica, quais labregos analfabetos.
Hoje conheci alguém assim. Um verdadeiro assalariado rural, um rústico (como diria a Bo). O perfeito saloio. No entanto sem razão para o ser. Desengane-se quem acha que só aqueles que desconhecem as maravilhas da civilização podem ser aqui incluídos. A verdade é que anda por aí muito cidadão com a pretensão de se achar citadino, cosmopolita, mas que não passa de um bimbo, repito B-I-M-B-O!
Não teria eu nada contra os parolos se estes entendessem as figuras deploráveis a que se prestam, crentes que estão super in. E concluo dizendo: Não há dinheiro que compre o bom gosto. Ou se tem, ou não se tem!