quinta-feira, janeiro 08, 2004

E o valete de espadas que preste vassalagem à dama de copas...

Aqueles olhos que reluzem de tão verdes, contam-me trivialidades do dia-a-dia com o ar provocador de quem faz uma proposta indecente.
Atiras todo o peso do corpo para cima da tua cama, que se defende rangendo timidamente. E aí ficas... Persegues-me com o olhar como quem faz perguntas que não ouço e, também sem ouvires, te vou respondendo.
Convidas-me a juntar-me a ti... És engraçada! Quando te esforças para parecer inocente e dizer essas coisas com um ar desinteressado é, exactamente, quando menos o consegues!
O coração quer-me fugir do peito de tanta ansiedade!
Agora digo coisas vagas e sem sentido. «Não me vou comprometer» - penso.
PÁRA!!! Porque me olhas dessa maneira?! Provocas e alicias, mas depois negas-te e escondes-te! Para ti tudo é um jogo...
... e continuas a agir como se não fosse nada contigo... «o valete de espadas que preste vassalagem à dama de copas» - pensas.