terça-feira, dezembro 30, 2003

fetiche


by Chuck STEVENS

Ugh

Agarro aquela coisa suja e com repulsa começo a esfregá-la.
F*da-se! Como é que alguém consegue fazer isto todos os dias? Viver disto? É que nem por dinheiro!
Ugh! Tem que ser com força...
Porra! Estou farta! Nunca mais lavo louça suja!

__________
__________foto by Jean-Yves Le Squeren

segunda-feira, dezembro 29, 2003

Um post sem lamexices do Natal

Um tipo com pinta de "multimiliuonário" mas sem cheta naquele cu aborda-me á saída do Chiado, oferece-me um cigarro "Portugues Suave"(Vivó Portugues económico!) e espingardeia: "Sabes...podias ser modelo"...Oh fdx, olhem o que eu tenho de aturar! Vem-m um merdas alí dos bairros sociais de Almada com um casaco Burberry da feira de carcavelos e uma vuitton fanada na alfandega dizer-me que sou podre de boa, e que até posso ser modelo internacional se mandar uma f*da com ele...porra ás tantas até me arranja uma carreira cinematográfica se o deixar vir-se na minha boca.
Entrego-lhe o cigarro(note-se) "Portugues Suave que me dispensou e segredo-lhe ao ouvido: "Enfia no cu, é uma alternativa ao meu dedo de topmodel!"
Voilá!

quarta-feira, dezembro 24, 2003

Para a minha matita, que me ensinou este jogo estúpido

Eu penso que tu pensas que eu penso que tu gostas de mim, e pensas que eu gosto de ti.
Eu penso que pensas mal.

Desejamo-vos um bom Natal, e as tretas todas do custume.


ClauDe Destribats
Paris, France

segunda-feira, dezembro 22, 2003


ClauDe Destribats
Paris, France

Cliché

Se há expressão que eu abomino é o cliché “Posso-te conhecer?”. Falta de chá.


"Hotel Chelsea Ghost" - NYC / 2001
by andrewshapter

terça-feira, dezembro 16, 2003

A primeira mulher não foi Eva.

A primeira mulher não foi Eva.
Foi Rita.
A primeira mulher chamava-se Rita.
Há sempre uma Rita para qualquer homem.

- Quem és tu?
- Rita - respondo - A primeira mulher, a tua primeira mulher.
Vês os meus cabelos? Toca-lhes... sentes? São os cabelos da tua primeira mulher, a mulher que nunca deixarás de amar. E os meus olhos? Vê... Já alguma vez te perdeste assim no olhar de alguém? Sente o meu corpo... toca-me... Porque é que a minha pele e os meus lábios têm o sabor de mais nenhuns? Porque sou a tua primeira mulher. Aquela que nunca deixarás de amar. Só a minha amarás. Agora vai... a partir de hoje serás como todos os outros...
Nada.

By gelika
06-02-3003
0h18min
juro que era capaz de matar alguém...
...lentamente

figure


by carole forêt

segunda-feira, dezembro 15, 2003

prazer é [ideia original vodafone]

Prazer é a sensação do sabor do chocolate a derreter-se na boca, a água a bater na cara e no corpo durante o duche, o adormecer na praia ao som das ondas do mar, o passar das horas numa esplanada a deitar conversa fora com os melhores amigos, o cheiro da terra nas primeiras chuvas, as brisas mornas no final de uma tarde de verão, o cheiro da lareira nas tardes de inverno, o rever pela centésima vez aquele filme preferido enterrada no sofá enquanto como quantidades industriais de bolachas, o descalçar dos sapatos quando chegamos a casa, é adormecer agarrada a aquele ser especial... miau

figure


by carole forêt

domingo, dezembro 14, 2003

pernas, p'ra que te quero?


by luoise chin

sábado, dezembro 13, 2003

Quando era pequena queria ser espia de uma qualquer policia secreta

Quando era pequena queria ser espia de uma qualquer policia secreta. Sempre gostei de bastidores e de saber o que se passa por detrás das cortinas, e não apenas ficar a olhar o espectáculo; não queria ser consumidora, queria ser fabricante... queria sentir que faço parte.

Por breves momentos senti. Senti que te inspirei. Falavas comigo nas entrelinhas do teu trabalho. Reconheci nele momentos passados connosco. Estive na origem.
Amei-te também por isso.

Não me é fácil olhar para o teu trabalho e sentir que fui dele completamente excluída.

sexta-feira, dezembro 12, 2003

A pensão cheirava a lavanda


A pensão cheirava a lavanda. Foi uma coisa que eu senti logo mal cheguei à entrada, isso e o constrangimento que não consegui evitar sentir com o sarcasmo labrego do recepcionista enquanto pedias um quarto, sem qualquer bagagem, aquela hora da tarde.
A pensão cheirava a lavanda. Não gosto mas não me importei com o cheiro, aproximei-me mais de ti para evitar tocar no que quer que seja. Só a minha roupa valia mais que todo o edifício.
A pensão também cheirava a bafio. Deixei-me guiar pelo teu braço que me segurava contra ti pelos corredores estranhos e estreitos que faziam lembrar a casa da minha ama velha da aldeia, a ti’ Mari’ do Carmo. Imagina, sítios extremos! tinhas tu sugerido excitado com a ideia de uma pensão reles, em oposição ao meu gosto extremo pelas muitas estrelas debaixo dos nomes dos hotéis.
Parou e abriu a porta do quarto. Entrou e ficou a olhar maravilhado. Eu fiquei à porta.
- O que é que foi?
- Sinto-me insegura.
- Anda cá que eu seguro-te.
Pegou-me pelo pulso e puxou-me para ele e fechou a porta com o pé. Começou a tentar forçar e rasgar o meu vestido Gucci e eu afastei-me a conter a indignação. Poisei com cuidado a minha Kely Hermés em cima de um banquito e despi o vestido. Não o queria frustrar, mas aquela espelunca metia nojo. Chão soalhado com madeira há muitos anos atrás, uma janela de guilhotina coisa que eu já não via à anos e que me fez voltar a pensar na casa da minha ama, as paredes cobertas com as flores vagas e esmorecidas em papel de parede, cama de ferro mal pintado, e aquele cheiro a lavanda que começava a nausear. Mas eu sou como tu. Da mesma carne. A volúpia do teu toque foi tal que me fez esquecer a lavanda e atirar lingerie La Perla ao chão.
- Agora quero o outro extremo. Tu escolheste um pardieiro. Eu quero Seteais.

quinta-feira, dezembro 11, 2003

tenho frio

linda

O homem do gás e os canalizadores estão out

O meu portátil tem uma maçã e é cor-de-rosa. É uma metáfora a mim miúda tentação e é o melhor presente que me deram até hoje depois da minha Kely Hermés. Vê-lo ali a admirar aquele bicho sobre o qual não percebo quase nada e a cuidar dele com tanto jeitinho de mãos... O homem do gás e os canalizadores estão out desde que aquele técnico de informática entrou em minha casa.

quarta-feira, dezembro 10, 2003

Virgem?


Os homens ficam loucos com miúdas inocentes, puras, que se rendem aos poucos ao prazer que eles lhes proporcionam.

Não foste tu que me comeste. Fui eu que te comi. Não, querido, não sou assim tão inexperiente. Pensavas o quê? Que foste tu que me ajudaste a descobrir o meu corpo? Não foste tu que descobriste os caminhos que me levam ao paraíso, querido. Eu sei bem o que gosto e o que quero.

Quem tomou as iniciativas? Eu, não tu. E foste tão ingénuo, tão fácil de manipular. Com os falsos medos e reticências abri-te o apetite. Com respirações aceleradas e gemidos mostrei-te os meus caminhos, e levei-te a concentrares-te no meu prazer.

Agora gabas-te com os teus amigos. És o grande herói do balneário. O macho. Mas naquele momento, o único prazer que tiveste foi o prazer de me dar prazer. Com a ilusão da minha “pureza”, tentaste descobrir os pontos que me fariam baixar as defesas, render-me a ti, e não te apercebeste que eu te controlava. És tão básico.

Não fiques chocado. Não é nada pessoal. O que eu te fiz não é nada que não tenhas feito a nenhuma ingénua verdadeira.

terça-feira, dezembro 02, 2003

Amuos


Gostava que para variar eu não tivesse que pedir. Gostava que alguém gostasse de mim o suficiente que reparasse no que eu sinto. Eu sei que não sou facil de compreender, e que me fecho. Mas seria pedir muito?

Porra! Eu só queria flores!!




Comer é por si só um acto totalmente natural, portanto totalmente banal, portanto desprovido de todo de qualquer prazer nato.
Agora imaginem-se privados de tal necessidade elemetar, terrivel, não?
Assim, n é de estranhar que eu, esfomeada, depois de 3 semanas de celibato, tenha tido a catadupa estranhissima de tremores, suspiros e... gritos no final de uma luta enorme entre a minha consciencia e o meu corpo relativamente akele "bolo gordo"! Meu Deus foi fantastico...nem percebo bem o porke!!! Afinal o desempenho daquele jovem( o pasteleiro está claro) nem costuma ser grande espingarda!
Whathever