quinta-feira, outubro 02, 2003

percebi

Foi muito estranho. Sozinhas, despimo-nos por conforto e pela sensualidade de estar nua em casa. Na penumbra, deitadas na minha cama, falámos na experiência, e na falta de experiência de cada uma com os homens. Começou quando eu lhe estava a ensinar a beijar. "São sempre os mesmos movimentos de lingua. Tanto no beijo, como no lamber a orelha... em tudo. Sente." Beijei-lhe o pescoço, e comecei a trincar-lhe e lamber-lhe a orelha. Senti-a arrepiar-se. "Nas caricias é o mesmo. Passas ora com a língua, ora com os lábios" Lambi-lhe o umbigo e acelerou-nos a respiração. Senti receio, tal como ela. Paramos. Agora percebo os homens.... acariciar uma mulher é muito diferente de acariciar um homem. É bom acariciar uma mulher. O corpo é mais suave, mais delicado. Falámos de trivialidades. Agarrei no pincel largo do blush. "Isto deve saber bem". Sorriu. Passei suavemente pela sua barriga, e atrevi-me a brincar com os mamilos. Os seus gemidos levaram-me a ataca-los com a boca. Percebi a fixação dos homens com os mamilos. Sentir os mamilos de uma mulher por entre os nossos labios, brincar com eles com a lingua e ouvir gemidos de prazer...
Ficámos por ali, mas não é anti-natura e soube bem.