terça-feira, setembro 30, 2003

Cama de dorsel



Atiro-me para o meio daquela enorme cama de dorsel. Abro um nicho no meio doa almofadões, recosto o pescoço confortavelmente e tiro o roupão turco...Fico então despida, no meio de uma manta polar, enrolada ora no cobertor moher, ora no edredon de caxemira.
- Pareces uma boneca- diz ele calammente enquanto mexe o chá preto, comodamente sentado na poltrona vitoriana- Olha para ti, deitada numa malgama de tecido, ancostada a um nunca mais acabar de almofadas, cobrindo cuidadosamente as ancas com a manta, mas deixando sujestivamente descoberto o peito e os seios...como se em ti ainda existisse um je ne sais quoi de inocencia pura...como se fosses demasiado púdica, tão púdica que não conseguisses mostrar as formas arredondadas e cálidas do teu corpo de menina-mulher...Podia mimar-te a noite toda apenas com o olhar, podia observar-te a noite toda sem sentir aborrecimento ou fadiga...my preciouse...Só te denuncia essa maldita nódoa negra no peito, denuncia as tuas noites de luxuria selváticas, como...
- Oh, por favor, não digas disparates!!!- digo eu enfastiada.

segunda-feira, setembro 29, 2003

In the office

Entro no escritório e fecho-nos à chave. Deixas-te estar sentado. Vou até atrás da tua enorme mesa de trabalho e beijo-te.
Levantaste e começas a despir-me, mas não me deixas despir-te. Tiras a gravata e agarras-me de uma forma firme. Fazes-me sentar. Prendes-me à cadeira com a gravata e vendas-me os olhos.
Fico à espera, por momentos nada acontece. Depois sento-te a acariciares-me com algo suave, provavelmente a pena de escrever. Percorres-me os seios, a barriga, as coxas, o pescoço num toque subtil e insuportável...
Paras.
Estou excitada e ofegante. Deixas-me em expectativa durante momentos.
Começo a sentir um cheiro a rosas. Sinto o toque aveludado de uma nos meus lábios, pelo meu pescoço e seios. Ao mesmo tempo que me tocas com a rosa, começas a beijar-me os seios e depois a lamber-me o umbigo.
Estou extasiada. Desejo-te…
Batem à porta. Tiras-me a venda e desamarras-me.
- Veste-te. Rápido!

sexta-feira, setembro 26, 2003

Vibrador ou assim

O vibrador é já de si um objecto muito prático, eficaz e higiénico, podendo ser adquirido em lojas da especialidade, este objecto funciona a pilhas, ou como dizem nuestros hermanos a pilas, o que neste contexto até tem graça porque se transformam muito rapidamente em competetntes substitutos das ditas, com a maior parte das suas vantagens e nenhum dos seus inconvenientes. Esta maravilha da tecnologia moderna tem ainda a agradável particularidade de ser extremamente portátil e de satisfação quase imediata.
Margarida Rebelo Pinto in "Sei lá"
Fantastico e recomendavel

quinta-feira, setembro 25, 2003

quarta-feira, setembro 24, 2003

Vintage







Desci a rua enfiada nuns jeans raspados e numa swet-shirt marinho, nos pés tinha umas malditas botas de salto agulha (porque raio é que eu fui calçar isto!), na mão tinha uma vuitton murakami-rania. Abri-a e prcurei a carteira, "Meu deus que confusão que aqui vai", abri o porta-moedas "20 centimos??...great agora nem moedas tenho para tomar café".
Fui obrigada a correr até á avenida, a ver se encontrava uma caixa multibanco suficientemente iluminada onde eu tivesse coragem de enfiar o meu cartão.
Levantei os miseros 10 euros k restavam naquela caixa...e preparei-m para ir embora...
Foi então,que senti um empurrão de alguem, que me obrigou a encostar o peito contra os botões e me esmagou os joelhos contra a parede!
"Ai!"
"Passa pra cá..."
"Não me faças mal...olha o cabelo fdx...ai...pera, eu só tenho 10 euros e 20 centim..."
"Passa a vuitton!"
"ÃHHH!!??!!"- exclamei eu, tentei virar a cara a ver se via o filho da...
"Passa!"
"Tás-t a passar mas é, eu n t dou vuitton nenhuma percebes?"- ele n sabe quantos beijos eu tive de dar ao anormal pa ganhar isto!!!!
Ele puxou-me a mão e agarrou a mala, eu, tentei desesperadamente resistir, mas ele era demasiado forte...Pensei que o queria matar!
"Tens um pescoço fantastico..."- disse ele numa voz melada e(porque não) arrebatadora! Eu permaneci está¡tica(já sei disso á muito tempo)
Desviou-me os fios de cabelo ao lado e desprendeu-me os brincos, um de cada vez,...filho da puta...tentei pisá-lo, mas ele adivinhou o meu movimento, colocou-me um joelho entre as pernas e disse:
Queres que suba?Queres que te magoe?"(encostou um objecto pontiagudo nas minhas nadgas..."ai")
Levantou a swet, passou-me as mãos(estranhamente macias) nas costas...Arrepiei-me! Enojei-me! Apetecia-me vomitar, maldito pervertido!
"Emporio Armani?...que jeans tão bonitos- disse ele enquanto me desapertava dois botões- vuitton? calvin klein! brincos de perolas!...Oh Bo tu tás muito bem na vida!"
Largou-me o corpo, afastou-se atrás, eu virei-me bruscamente e vi-o...meu deus, todos estes anos passados e... não mudou nada!
"Leandro pa que é que foi esta mrd?- disse eu furiosa enquanto apertava os botões dos jeans!
"Gosto de te ver irritada!"
Peguei nas minha vuitton e recomeçei a andar, o PP estava á minha espera...
"Os brincos ficampara mim?"
maldito "Dá-me os brincos!"- disse eu calma e pausadamente...
Ele agarrou-me!
O instante seguinte foi totalmente vintage: eu, ele, o carro, sem roupa, sem regras...
O PP?K s lixe o PP!
...
Hum...gosto quando o Leandro me lambe as costas, assim...e depois a barriga...MAIS

terça-feira, setembro 23, 2003

Hum...



Queres coisa mais erotica que uma lolita de cuecas brancas, sentada num amontoado de lençois, lenços e lencinhos, de pernas dobradas, abertas, com o cabelo ondulado a cair-lhe nas costas despidas. E com um enorme pedaço de chocolate entre os dedos!?
Eu! Agora!
Deitada no meio desta confusão, a deliciar-me com uma barra de chocolate de leite. Coloco-a entre os lábios, lambo a ponta circularmente, chupo-a toda até ao fundo e sinto-o a desintegrar-se na minha boca! Vai desaparecendo com rapidez mas vai deixando uma sensação quente pela garganta e pelas entranhas, uma sensação doce e sequiosa que gradualmente se transforma em prazer e reconforto! Como, como...uma explosão!

quinta-feira, setembro 11, 2003

A parede

terça-feira, setembro 09, 2003

Aparências

Abri os olhos e logo os fechei pela grande quantidade de luz que invadia o quarto. Tiro o braço dele de cima de mim e viro-me. Volto a abrir os olhos. Que noite! Levanto-me suavemente para não o acordar. Chego-me à varanda e olho o mar. Ondas suaves batem na areia onde formigam veraneantes. Uma brisa fresca percorre-me a pele.
Volto para dentro a procurar o meu vestido, as minhas sandálias e a minha carteira. Já vestida, sento-me a seu lado a recordar o novelo de pernas, braços e corpos que formámos e que há poucas horas parecia impossível de desentrançar. Acordar ou não acordar o meu “amorzito”? Acordar. Beijo-lhe o braço e as costas. Ele parece sentir, mexe-se, vira-se para mim, sorri, abraça-me e beija-me.
- Adoro-te.
Largo-o, levanto-me e olho para as horas. Olha-me confuso enquanto rio maliciosamente.
- Passa para cá o dinheiro.

segunda-feira, setembro 08, 2003

- Põe-me protector solar.
- Onde é que ele está?
Sinto o creme frio na pele quente do sol e as grandes mãos dele a espalharem-mo pelas costas. Sabe bem.
- Quando chegámos à praia e te despiste, todos os homens aqui à volta te desejaram.
- Não estás com ciúmes… Sabes perfeitamente que odeio as marcas de biquini. Nem parece teu.
- Deixa-me falar! Não me deixaste acabar… És uma puta. Estava a dizer que te amo por isso. És a minha puta.
Não lhe soube responder. É uma declaração de amor estranha, mas é uma declaração de amor. Beijei-o.