quinta-feira, agosto 07, 2003

Puta


Primeiro um calor tão intenso como a alegria que tenho sentido nos últimos dias e por fim um tempo doentio, nublado como as minhas ideias e turvo como o emaranhado de sentimentos que hoje me assolam. Eu, tal como o tempo, não sei se hei-de chorar ou esquecer e partir para outra disposição. Só chora umas lágrimas tímidas e um pouco enraivecidas.
- Lágrimas de puta. - Disse uma vez a minha avó ao referir-se a esta chuva - Logo passam.
Sim. Eu comportei-me como uma puta. Nesta sociedade de merda onde só as aparências interessam, um gajo por dormir com muitas miúdas é Rei enquanto essas miúdas são putas. Não interessa se gostavam dele ou não, se apenas foram ingénuas ou não, se realmente estavam tão mortinhas por uma queca como ele. São putas.