terça-feira, agosto 12, 2003

A última flor

Por fim agarrei a mangueira e comecei a regar. A água sai em jorros impetuosos que levantam a terra dos canteiros e põe a descoberto as raí­zes das plantas. Está calor. Tanto calor que eu estou lavada em suor quente, que me escorre pela nuca, pelas costas, entre os seios e pelas pernas. Não me importo com o suor nem com os salpicos que me enchem as pernas de lama, porque adoro jardinagem! Dá-me imenso prazer plantar, regar e ver as plantas crescerem e florirem.Enquanto rego a relva observo. Os brilhos do sol na água hipnotizam-me e ponho a mão à frente do jacto de água, que se espalha em gotas brilhantes encharcando-me. Sabe bem. Levanto os braços e ponho a água a escorrer-me pelo cabelo. Afasto rapidamente e saboreio-a a entrar-me pela roupa a dentro. Encharco-me completamente.
- O quê? Como nos filmes da playboy?
- Sim! - aaahh... - Acho que sim. Deve ser...