quinta-feira, agosto 28, 2003

“Longe da vista longe do coração.”
Quando este provérbio foi inventado ainda não havia Internet, nem telemóveis.

Os despojos da noite






Os despojos de uma noite bem remexida, fikam como flashes luxivoros intrincecados na nossa tola, tal qual, memórias de infancia felizes e prazerosas.
Quando senti o ultimo espasmo...cravei as unhas encarnadas na carne das suas costas despidas, soltei um "Hum" perlongado e expirei fora( eu sei k istu é uma redundancia).
Caimos exaustos, um para cada lado, ofegantes. Ele acachou as pernas com o lençol amarrotado (sejamos sinceros, um homem fika ridikulo kuando flacido), acendeu um cigarro e estikou a mão para me acariciar os seios... Senti o dedo indikador á volta do meu mamilo direito e sorri...Afastei-lhe a mão delikadamente e levantei-me, vesti o roupão turko que estava jogado em cima do divã, e agarrastei-me para a casa de banho preguiçosamente. Sentei-me no tampo da sanita fechado, abri a minha pikena vuitton, tirei o caderno negro e começei a escrever as usuais "notas-de-percurso"...
Vá-se lá saber poquê! Durante anos mantive um diário das minhas aventuras sexuais ou não; orgulhava-me dele, era como um trofeuem forma de "mil-folhas", repleto de metáforas, comparações, analogias ou simples desabafos corrikeiros.
Hoje, passados 5anos, revejo akela noite na simples frase que escrevi: "Porra!!!! É mesmo bom foder o gajo de kem gostamos!"

quarta-feira, agosto 27, 2003

Putas recebem pelos serviços k prestam




Acordei completamente desnorteada, lentamente abrira os olhos e necontrara escuro a toda a volta...Pelo k , rapidamente, me precipitei sobre a cabeceira a fim de acender a maldita luz, k insistia em esconder-s d mim. Infelizmente n contava com tão grande confusão, portanto, só tive tempo de sentir os boiões, os frascos e as garrafas deslizarem pela minha pele, e cairem logo d seguida sobre os mosaicos polidoas(ou não)!
Lá acendi a porra da luz, e lá peguei no telemovel, k não parava d vibrar no montoado d roupa.
Oh meu deus, é o PP!
-- Sim- digo eu, sem conseguir disfarçar a roukidão da voz!
-- Finalmente atendes- grita ele irritadissimo- ao fim de 20 chamadas lá consegui acordar a merda da bela adormecida!!!
-- Cmo é k sabes k eu estive a dormir...- keixo-m eu enkuanto visto o roupão!
-- Com essa voz nem a mim m enganas Bo. Tenhu a porcaria da casa cheia de gente... Fdx, onde é k voces estão? Prometeram vir aos anos do papá!...Eu devia ter calculado...suas pu...
Desliguei o tlm e voltei a atirá-lo para o monte de roupa. Quem é k ele pensa k é? Filho da mãe! Puta é mãe dele!
Desci as escadas e prokurei-o...Estva sentado na varanda com um livro no regaço, olhava o predio em frente com admiração e sorria como um garoto fascinado... Levantou-se quando me viu, abraçou-m e beijou-m o pescoço! Olhei para ele com lágrimas e mágua, ele apercebeu-s...atirou o livro no vaso das tulipas amarelas e saiu furoso...
Eu sentei-m no cadeirão e colokei o livro no regaço, olhei para o predio em frente...senti a porta bater...senti a Lu descer as escadas.
--Ké do V.G.? Voces discutiram?
--Perdemos a festa do PP, o VG nem devia tar ca, fdx...DEIXEI-M LEVAR POR AKELAS MÃOS , AFUNDEI-M NAKELE CORPO E ESKECI TUDO O RESTO...TUDO POR UNS OLHOS BNITOS E UMAS HORAS D LUXURIA!
--Oh bo...kem n s reb«nderia...e akele cu...ui!!!!
(risos)
--OH LU, NOS N SOMOS PUTAS POIX NÃO?
--NÃO!!!!! AS PUTAS RECEBEM PAGAMENTO PELOS SERVIÇOS K PRESTAM...- disse ela calmamente, em tons de sabedoria, como s fosse tudo uma porra d uma verdade universal...
Depois levantámo-nos a correr e fomos vestir-nos! Tinhamos uma festa para iluminar...
Ah! Atirei o livro DELE pela varanda, em direcção ao predio em frente, afinal, para k raio e k eu keria um livro do paulo coelho???

segunda-feira, agosto 25, 2003


mulheres felidias, mulheres sensuais, mulheres k comem

quinta-feira, agosto 21, 2003

olhem o ka lu passa...kuando s baixa, tambem toda a sala s baixa com ela...ver kem tem a sorte de ver a tanguinha


terça-feira, agosto 19, 2003

Bo aos 18 anos, kuase 19(uma pagina do diario...)

Meu deus! Vi uma mala yves saint laurent, era linda, vermelha, plana, em pele tratada , brilhante, no formato de uma mochila tipo vuitton-elipse...
Kem a usava era uma mal-disfarçada emigrante...ridikula...Lá entrou ela, usando um vestido de padronagem corrikeira em tons de castanho e sandalias á "continente"...Mas a mala, a mala saltava á vista num simples olhar de relance, era...como posso explikar?Exageradamente simples e exageradamente sofistikada para criatura tão rude e incorrecta, a tipika habitante d aldeóla rustika k vai até á europa central tentar melhorar d vida...Mas n ganha nem educação nem pose...apesar d kerer mostrar ás gentes simplorias da aldeia o contrario, e acaba comprando uma carteira no valor de um ordenado minimo(ou mais), estupimente eskecendo-s que tão vulgar gente n é capaz de identifikar a rikeza de tal objecto! Talvez lhes saltassem mais á vista as toneladas de ouro que xcarregava em colares, pulseiras e aneis!
Meu deus! Apeteceu-m esfofeteá-la até esta fikar completamente empalamada e dorida...apeteceu-m furtar akela preciosidade e...sair dali para fora!
Boa!Agora tenho tendencias psikopatas relativamente ao roubo de luxos urbanos...Podia ser pior...Raios!


sexta-feira, agosto 15, 2003

Vou para casa

- Reparem, reparem bem naquela mala.
- Qual? Onde?
- É da nova colecção da Gucci.
Olhei para a Bo sem disfarçar o tédio. Estou num ninho de cobras, cada qual mais bonita e bem vestida que a outra. Hoje não tenho paciência. Estou exasperada, farto de todo aquele glamour elitista e fútil. Apago o cigarro e levanto-me.
- Vou para casa.
Quando finalmente chego a casa, atiro a carteira para o chão, tal como tudo aquilo que me aperta: os brincos, o soutien, as malditas sandálias de saltos agulha, o ligueiro e as meias de liga. Agarro num copo de Whisky e saio para a beira da piscina.
Experimento a água com o pé descalço. Fresca e tentadora. Vestida, vou descendo os degraus da piscina até à água me chegar à cintura. Pouso o copo na margem e mergulho. Fico ali a boiar... o vestido colado à pele... o cabelo espalhado á volta da cara em jeito de algas... os olhos fechados...
- É parva! – Ouço alguém dizer. Assusto-me, perco o equilíbrio, ponho-me a esbracejar e farto-me de engolir água. Olho para as portas da sala e vejo a Bo a olhar para mim com algum amigos nossos.
– É parva! É parva!

Conversas

Bo: Tu viste as noticias?
Lu: Não. Como é que ficou aquilo lá em NY? O que é que aconteceu?
Bo: Foi uma central eléctrica que avariou, e aquilo ficou tudo apagado. Estão a dizer que não foi atentado. Houve foi muitas pilhagens em Manhattan...
Lu: Óóó... Estás a falar como se tu se soubesses que as lojas não tinham câmaras nem segurança também não ias roubar uma Vuitton.
Bo: Tu achas que se eu soubesse que as lojas não tinham nem câmaras nem segurança eu roubava só uma Vuitton???
(risos)
Lu: Íamos fazer o circuito! Vuitton, Prada, Gucci, Yves Saint Laurant...

terça-feira, agosto 12, 2003

A última flor

Por fim agarrei a mangueira e comecei a regar. A água sai em jorros impetuosos que levantam a terra dos canteiros e põe a descoberto as raí­zes das plantas. Está calor. Tanto calor que eu estou lavada em suor quente, que me escorre pela nuca, pelas costas, entre os seios e pelas pernas. Não me importo com o suor nem com os salpicos que me enchem as pernas de lama, porque adoro jardinagem! Dá-me imenso prazer plantar, regar e ver as plantas crescerem e florirem.Enquanto rego a relva observo. Os brilhos do sol na água hipnotizam-me e ponho a mão à frente do jacto de água, que se espalha em gotas brilhantes encharcando-me. Sabe bem. Levanto os braços e ponho a água a escorrer-me pelo cabelo. Afasto rapidamente e saboreio-a a entrar-me pela roupa a dentro. Encharco-me completamente.
- O quê? Como nos filmes da playboy?
- Sim! - aaahh... - Acho que sim. Deve ser...

quinta-feira, agosto 07, 2003

Marilyn Monroe



Por curiosidade peguei numa daquelas revistas do Público, abri nas páginas centrais e deparei-me com a foto da mulher mais bonita que vi até então e desde então: Marilyn Monroe de lábios voluptuosos encarnados, cabelos loiros, enrolada num sugestivo casaco de pele branca!

Depravada por natureza assumiu publicamente os seus romances e aconselhou: "Os homens não se vão embora quando têm aquilo que querem, os homens quanto mais têm mais querem!". No entanto seria a sua máxima "fiz-me loura para me iluminar" que iria mudar a minha vida...
Aos 17 anos, influenciada por aquela imagem, reuni dinheiro e coragem, entrei no cabeleireiro e disse: "Quero ser loura"... Mais tarde, levantei-me satisfeita, desci ao passeio e comecei a caminhar deambulando pela rua. As pessoas olhavam-me: os rapazes sorriam, as raparigas apertavam as feições pois ninguém ficava indiferente. A determinada altura senti-me incomodada, aproveitei os pingos que caíam e passei o encerado pela cabeça, talvez assim não olhassem...
Quando cheguei a casa vi a cara aturdida da minha mãe e nem foi preciso ela dizer nada... sentei o rabo na cadeira da cozinha, comi uma bolacha e disse de boca cheia: "fica bem com cor-de-rosa!"

Puta


Primeiro um calor tão intenso como a alegria que tenho sentido nos últimos dias e por fim um tempo doentio, nublado como as minhas ideias e turvo como o emaranhado de sentimentos que hoje me assolam. Eu, tal como o tempo, não sei se hei-de chorar ou esquecer e partir para outra disposição. Só chora umas lágrimas tímidas e um pouco enraivecidas.
- Lágrimas de puta. - Disse uma vez a minha avó ao referir-se a esta chuva - Logo passam.
Sim. Eu comportei-me como uma puta. Nesta sociedade de merda onde só as aparências interessam, um gajo por dormir com muitas miúdas é Rei enquanto essas miúdas são putas. Não interessa se gostavam dele ou não, se apenas foram ingénuas ou não, se realmente estavam tão mortinhas por uma queca como ele. São putas.

quarta-feira, agosto 06, 2003

Característico

A Bo descobriu que a Religião é uma coisa muuito interessante. Agora deu-lhe em andar sempre com um terço no pulso.
Quer dizer... descobriu em Deus uma nova linha de acessórios.

sexta-feira, agosto 01, 2003

Conversas

- Para ti o sexo é o maior prazer que existe?
Olho para o gelado que escorre chocolate e respondo pensativa e teatralmente:
-Não. Eu gosto mais de comer... Mas também nunca experimentei juntar as duas coisas.

Um diário antigo

Estava a dar uma volta à roupa de Inverno quando descobri um diário antigo. Abri-o, desfolhei-o e reli nele imagens e histórias. Chamou-me a atenção este trecho:
“Nada como ficar até ás 3h 40 da manhã a fazer simplesmente nada agarrada ao comando da televisão estendida no sofá. Agora vou adormecer aqui, com o diário aberto, sem medo de alguém ler os meus pensamentos. Vestida. Iludida com um pouco da maravilha que é adormecer independente. Para acordar daqui a 3 horas ou menos e apagar os vestígios do sonho. Talvez um dia venha a adormecer nas mesmas condições e acorde em condições diferentes.»