quinta-feira, julho 31, 2003

No princípio de uma relação

Estou na esplanada de um café com vista para o mar a relaxar depois de um turno da noite e de uma manhã mal dormida. O cansaço, a melancolia, a solidão e paisagem levam-me o pensamento até ti. Onde estas? O que estas a fazer?
O telemóvel toca e eu estremeço. A ténue possibilidade de seres tu acelera-me o ritmo cardíaco, mas afinal é a minha mãe. Não me apetece falar com ela e limito-me a retirar-lhe o som. Insiste. Mais tarde dir-lhe-ei que estava algures onde não podia atender.
Olho para as enormes ondas e para os reflexos do sol na água e penso que deves estar a trabalhar. Quero falar contigo, mas não me ocorre nenhuma desculpa para te ligar. Preciso de uma? Amuo. Não gosto de telemóveis.